Saída da Ford: trajetória da montadora

A empresa anunciou nesta segunda-feira (11) que fechará todas as fábricas da marca no país. Mercado brasileiro será atendido apenas por veículos importados. Ao todo, 5 mil empregos devem ser afetados.

A decisão da Ford de encerrar a produção de veículos no Brasil coloca ponto final em uma história de mais de 100 anos de investimentos no país.

Em 1º de maio de 1919, a montadora abriu as portas de uma planta na Rua Florêncio de Abreu, no centro de São Paulo. O modelo de produção era o Ford T, também chamado de Ford Bigode. As peças eram importadas e a montagem, feita aqui.

Desde 1904 carros da marca já chegavam ao país, ainda como importados. Por decisão do próprio Henry Ford, fundador da montadora, a empresa decidiu abrir sua subsidiária brasileira.

Entre 1920 e 1921, a montadora foi transferida para a Praça da República e, em seguida, para a Rua Sólon, no bairro do Bom Retiro. Ali, foi estruturada a primeira linha de montagem em série, onde funcionou até os anos 1950.

Em 1953, foi inaugurada a fábrica do Ipiranga. A produção diária da Ford passava para 125 veículos ao dia e mais de 2.500 funcionários circulavam pela planta de 200 mil metros quadrados. A nova planta possibilitou o avanço tecnológico para desenvolvimento do primeiro modelo totalmente brasileiro da montadora, o caminhão F-600, criado em 1957.

Fim da produção da Ford no Brasil

O setor automotivo enfrenta uma série de transformações tecnológicas que tem obrigado as empresas tradicionais a reestruturarem os seus negócios. No Brasil, além dessas questões estratégicas, as empresas alegam problemas locais, como o chamado Custo Brasil, que encarece a produção de veículos e tira a competitividade das companhias.

Nesse contexto, companhias com origens em outras atividades começaram a adquirir competências e novas tecnologias para operar no ramo automotivo, o que pode desbancar boa parte das empresas tradicionais.

A Tesla, por exemplo, é uma empresa de carros elétricos e tem visto as suas ações se valorizarem. Na semana passada, Elon Musk, fundador da companhia, superou Jeff Bezos e se tornou a pessoa mais rica do mundo com a aposta dos investidores no sucesso da Tesla. Já o Google trabalha num projeto de carros autônomos.

Todas essas mudanças tecnológicas também implicam em mais custos para as montadoras. O setor automotivo como um todo – automóveis, caminhões e ônibus – tem enfrentado sucessivas crises. A primeira delas ocorreu entre 2014 e 2016, quando o país enfrentou uma dura recessão. Naquele período, a produção do setor recuou para cerca de 2 milhões de veículos. O setor conseguiu melhorar a produção até 2019, mas a crise causada pela pandemia de coronavírus provocou mais uma queda. No ano passado, o tombo foi de 31,6%. Em carta aos concessionários, a empresa alegou que a “Ford América do Sul acumulou perdas significativas” nos últimos anos e que a matriz tem “auxiliado nossas necessidades de caixa, o que não é mais sustentável.”A Ford culpou o aumento de custos industriais com a desvalorização das moedas da região e os impactos econômicos da pandemia de coronavírus. A montadora também diz que o “nosso negócio exige investimentos significativos em novas tecnologias para atender às demandas dos consumidores e itens regulatórios, que estão remodelando a indústria.”

 

Fonte: g1.globo.com

Imagem: CNN BRASIL

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.