Relações entre apicultura e agricultura

Uma temática pertinente para o meio rural, de produtores à pesquisadores, é a relação intrínseca e dependente entre agricultura e apicultura. De acordo com o CONAP – Cooperativa Nacional de Apicultura -as abelhas respondem por cerca de 80% da polinização dos vegetais, o que evidencia a relação cooperativa entre as duas áreas. Além da relevância dessa relação, que ultrapassa as barreiras da produção, ela causa impactos sociais econômicos.

Tal fato nos permite olhar com atenção a um outro fator de significativo impacto no relacionamento da Agricultura com a Apicultura: o uso de defensivos agrícolas, que deve ser realizado de maneira correta, segura e responsável, a fim de trazer contribuições e manter o equilíbrio do ecossistema envolvido.


“Existe um conjunto de técnicas que possibilitam a coexistência e a complementaridade entre a agricultura e a apicultura. São três grandes áreas que devem ser levadas em consideração, a Tecnologia de Aplicação, o Manejo Integrado de Pragas e as Boas Práticas Apícolas. Quanto ao uso de defensivos agrícolas, esses podem ser utilizados observando, por exemplo, o momento da aplicação, a técnica selecionada, as características dos produtos, as condições meteorológicas, bem como local dos apiários.”

  • O que é apicultura

É a atividade de criação de espécies de abelhas do gênero Apis para fins de produção de mel, pólen apícola, própolis, cera de abelhas, geleia real e apitoxina ou para serviços de polinização.

Atualmente os principais países exportadores de mel são a Argentina (detentora de 84,17% das exportações mundiais) e a China (26,59% da exportação mundial). Entretanto nos três últimos anos esses países tiveram grandes problemas de comercialização, o que gerou um aumento da demanda do mercado mundial e fez com que o Brasil tivesse um aumento no preço pago ao apicultor.

  • Programa abordará relação entre apicultura e agricultura

O Movimento Colmeia Viva está inaugurando um novo programa de educação a distância (EAD), sobre a adoção de boas práticas agrícolas e apícolas na proteção de abelhas e cultivos, abordando a relação entre apicultura e agricultura. Para isso, cinco aulas gravadas do Colmeia Viva EAD, gratuitas, já estão abertas mediante inscrição no site do movimento.

O Movimento Colmeia Viva, iniciativa do setor de defensivos agrícolas para proteger as abelhas, agora vai virar uma causa das 26 empresas que compõem o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg). O Movimento acabou de entregar os resultados de ações de seu Compromisso 2020, que foi plenamente cumprido.

  • Apicultura no Brasil

A apicultura brasileira começou oficialmente em 1839, quando o padre Antonio Carneiro importou da região do Porto (Portugal) 100 colônias de abelhas da espécie Apis mellifera. Depois de cruzar o Atlântico, apenas sete colônias sobreviveram e foram instaladas na praia Formosa, no Rio de Janeiro.

Entre 1845 e 1880, imigrantes alemães e italianos introduziram outras subespécies de Apis mellifera em localidades do Sul e Sudeste do país.

Durante essa fase, as abelhas melíferas eram exploradas principalmente como hobby e para a produção de cera. Assim, a apicultura brasileira era bastante rudimentar, com poucas técnicas de manejo e com colmeias mantidas nos quintais, já que as abelhas apresentavam baixa agressividade e não criavam problemas com outras criações de animais.

 

Fontes: agrolink.com.br / abelha.org.br / infoescola.com

Imagem: Pinterest

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.