Possível nova paralização dos caminhoneiros

Uma nova greve dos caminhoneiros em 2021?
Já existem rumores que o questionamento é verdade sim e o Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas ( CNTRC) reiterou a intenção da paralização para o dia 01 de fevereiro , sem prazo pré-determinado de fim em caso de ” Esgotamento das vias administrativas de solução”. As falhas e problemas listados pela categoria são: Organização de uma tabela com preço mínimo de frete rodoviário e que a Petrobrás abandone a política de equiparação dos preços do combustível daqui aos do exterior.
A CNTRC, afirma representar 40 mil caminhoneiros e que mesmo que seja necessário a paralização, irá manter pelo menos 30% da frota nas estradas, visando não parar de prestar serviços essenciais devido a pandemia de coronavírus. O conselho diz que ” Garantindo o abastecimento com prioridade da quota destinada a circulação dos transportes de combustível, medicamentos, insumos hospitalares, cargas vivas, alimentos perecíveis e afins”.
José Roberto Stringasci, presidente da Associação Nacional de Transportes no Brasil, uma das organizações integrantes da CNTRC, diz que a greve pode ser evitada desde que a voz da categoria seja ouvida, e uma reunião com o então presidente Jair Bolsonaro, para cobrar promessas já feitas a classe e segundo Stringasci ainda não foram cumpridas.
GREVE DOS CAMINHONEIROS EM 2018
A Greve dos Caminhoneiros ou Greve do Diesel, foi uma paralização de caminhoneiros autônomos, teve início em 21 de Maio de 2018, durante o governo de Michel Temer. A classe estava reivindicando a diminuição nos preços do diesel, que no tempo estava custando valores exorbitantes. A Greve rendeu prejuízos em muitas áreas e causou indisponibilidade de alimentos, remédios ao redor do país, alta nos preços da gasolina e escassez gerando filas enormes nos postos que tinham combustível. Os manifestantes tomaram parte das rodovias e na noite do dia 27 de Maio o presidente Michel Temer anunciou a redução no preço do diesel, tirando quarenta e seis centavos por litro na bomba, não era o valor solicitado pelos grevistas mas ajudou a conter os ânimos. Desde o início da greve as ações da Petrobras na B3 caíram 34%, motivada pelas negociações e perderam 137 milhões de reais em valor de mercado, deixando o mercado bem desestabilizado.
CNTA é contra a prevista nova greve dos caminhoneiros
A Confederação Nacional dos Transportes Autônomos ( CNTA) divulgou em nota que não apoia pois ” Apesar das dificuldades dos caminhoneiros, este não é o momento ideal para uma paralização ” . A confederação finalizou a nota dizendo ” A CNTA acredita que a deflagração de uma greve, especialmente dos caminhoneiros, deve ocorrer somente quando esgotar todas as alternativas plausíveis de discussão e negociação”.
Segundo o Movimento Pró-logística a tabela do frete foi reajustada em 2,51% pelo governo federal e já está em vigor, no entanto alguns caminhoneiros reclamam do valor. A tabela estabelece o valor a ser cobrado por quilômetro rodado. A previsão da ANTT ( Agência Nacional de Transportes Terrestre) é que o reajuste gere aumento no preço do serviço, mas o produtor não deve sentir os efeitos desse aumento, já que os preços em vigor hoje são superiores ao da tabela.

Texto por: Maria Laura
Fonte: Agrolink
Imagem: G1

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.