Lista de liberação dos agrotóxicos

O setor agrícola é um dos que mais apresenta crescimento no brasil, inclusive durante a pandemia do coronavírus onde vários setores entraram em crise. Os produtores rurais investem muito na produção desde o preparo do solo, variedade das sementes e defensivos agrícolas visando uma colheita farta e alimentos de qualidade, não é à toa que os agricultores estão otimistas com a produtividade dos grãos que já crescem nos campos e prometem uma rentabilidade superior aos anos anteriores.
O mercado está em constante evolução e com o de agrotóxicos não é diferente , o Ministério da Agricultura divulgou essa semana a liberação de mais de 56 agrotóxicos , sendo 51 genéricos e 5 inéditos que somados aos registros autorizados em 2020 totalizam em 461, perdendo somente para o ano de 2019 que obteve 474 novos registros de agrotóxicos , carregando o título de liberação recorde .
Os novos agrotóxicos liberados se subdividem nos seguintes grupos:
– 5 pesticidas biológicos (Ativo inédito);
-5 pesticidas químicos (Ativo inédito);
-90 pesticidas vendidos aos agricultores;
-220 ingredientes químicos de agrotóxicos que são vendidos aos agricultores.;
-141 princípios ativos para a indústria formular agrotóxicos.
Os números altos dão a entender que o aval de liberação e comercialização dos pesticidas é bem flexível, mas ao contrário passa por três órgãos reguladores: Anvisa, Ministério da Agricultura e Ibama.
– Ministério da Agricultura: Tem por função analisar se ele é eficaz no combate as pragas e doenças do campo somado a responsabilidade de formalizar o registro, desde que o produto tenha a aprovação de todos os órgãos.
– Anvisa: Responsável por avaliar os riscos à saúde;
– Ibama: órgão que analisa os perigos ambientais.
Esse ano para evitar interpretações diferentes e dar mais transparência sobre a finalidade de cada produto o Ministério da agricultura decidiu publicar de maneira separada a lista dos agrotóxicos. Produtos formulados são os destinados aos agricultores e os técnicos para as indústrias que são os utilizados como componentes na fabricação de defensivos agrícolas, além dessa separação ainda e necessário a definição dos tipos de registros do mesmo.
Tipos de registros
– Produto formulado: e o produto pronto para uso, aquilo que chega para o agricultor;
– Produto formulado equivalente: produto final genérico;
-Produto técnico: e o principio ativo novo, aquele que vai compor os produtos que ainda serão vendidos, portanto não e comercializado de maneira ‘’crua’’.
– Produto técnico equivalente; são quase copias de princípios ativos inéditos, que geralmente são feitas quando as patentes caem e serão usadas na formulação de produtos comerciais. É comum entre as empresas o registro de um mesmo princípio ativo várias vezes, tendo por intuito fabricar venenos específicos para plantações diferentes.
Os pesticidas são de suma importância para o controle de pragas nas plantações, mas é necessário todo esse cuidado e a passagem por todos esses órgãos e divisões especificas para garantir que cumpram seu proposito e minimizem o impacto negativo na fauna, flora e vida humana.
Texto por: Maria Laura
Fontes: G1 e Notícias Agrícolas.
Imagem: g1

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.