Crescimento no número de viagens internas

O ano de 2020 foi cheio de complicações e impasses o que fez com que as pessoas tentassem manter suas atividades, aprimorando e se adequando ao novo normal. O distanciamento social, o convívio excessivo com as mesmas pessoas, dividindo o mesmo ambiente, o mundo caindo lá fora cheio de más noticias e cada vez mais e mais mortes, fez com que as pessoas ficassem mais estressadas e preocupadas. Porém também ensinou a valorizar os pequenos prazeres até o de ir ao parque ou viajar e se aventurar por ai.

A imunização da população contra a covid19 já é algo bem próximo e por isso as pessoas já estão retornando para suas atividades, incluindo viajar, mantendo todas as recomendações citadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Como citou o teólogo é filosofo Santo Agostinho na frase “O mundo é como um livro e quem não viaja lê somente a primeira pagina” visitar lugares diferentes, experimentar outras culinárias, conhecer novas culturas e pessoas, sair por ai desbravando esse mundão de belezas exuberantes e únicas colecionando inúmeras experiências e memorias. Um respiro para o corpo e mente, recompensa pela correria do dia a dia.

Toda essa ansiedade em viajar e “Ler as outras páginas do livro”, precisa ser moderada afirma especialistas, o conselho é que as viagens sejam para destinos mais próximos de casa evitando ter que pegar vários transportes e possíveis aglomerações.

Dados divulgados pela Organização Mundial do Turismo (OMT) afirmam que a procura por destinos internos já eram seis vezes maior que as viagens internacionais antes da pandemia de coronavírus, agora a projeção é de ainda mais aumento, o que é uma chama para reaquecer a economia. A OMT sugeriu que folgas ou finais de semana são ações que involuntariamente incentiva as pessoas a sair de casa. Em Novembro o ministro do turismo do Brasil considerou o discurso da OMT e criou o plano de retomada desse setor, tendo em vista um investimento maior no turismo “Ao ar livre”, cachoeiras, trilhas, sítios, rede, sombra e água fresca são as novas sensações.

O ministro da pasta Marcelo Álvaro Antônio afirma que “Isso será fundamental para a retomada econômica do país”.

Os viajantes estão aderindo bem ao turismo local, o Airbnb realizou uma pesquisa com mil clientes e 62% disseram que prestem sim fazer as chamadas viagens “Hiperlocais”, aquelas de até 300 quilômetros de distancia, com muitos trabalhos ainda em home office 82% dos entrevistados dizem ter interesse em alugar esses novos destinos para a realização do trabalho remoto, visto que natureza e piscina são bons atrativos para melhorar o rendimento no trabalho. Segundo Alexandre Moshe diretor geral da Decolar “Acreditamos na tendência do Anywhere office, que permitira uma frequência maior nas viagens de lazer, ja que as pessoas poderão trabalhar em qualquer lugar”.

Fatores que influenciaram as viagens internas 

  • Destinos mais em conta;
  • Alta do dólar; isso fará os brasileiros olharem para dentro do país. Magna Nassa diz que “Boa parte da população entendi que viajar para fora representa status”;
  • Tempo de viajem mais curto permitindo maior aproveitamento do tempo e do descanso.

Texto por: Maria Laura

Fonte: Veja; OMT

Imagem: Pinterest

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.