Coronavírus – Qual é a relação entre o meio ambiente e pandemias de vírus

A pandemia que isolou o mundo, causadora do coronavírus a doença Covid-19 fez presença no mundo inteiro no ano de 2020, de países mais remotos até os mais visitados. Segundo cientistas a origem do vírus tem probabilidade maior de ter surgido de forma natural e não tenha sido feita em laboratório, tendo em vista a região que apareceu inicialmente que é conhecida por ter uma enorme comercialização de animais [vivos e mortos] para o consumo humano, como morcegos, cobras e civetas. 
Para a Organização Mundial da Saúde (OMS), a fonte primária do surto da Covid-19 vem de origem animal. Um estudo publicado na revista Nature mostrou que o código genético do coronavírus que infecta humanos é 96% semelhante às variedades que circulam em populações de morcegos da China.


Como surge um novo vírus?


A convivência entre diferentes espécies naturais e o homem cria um ambiente favorável para o surgimento de novos vírus. Com o aumento da população e a expansão de cidades o homem começou a ter mais contato com animais que não tinham antes, o que acontece na china, o mercado aberto de seres vivos para serem comercializados, sem nenhuma proteção ou esterilização.
A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que 75% das doenças emergentes e das doenças re-emergentes que irão afetar a saúde humana ao longo do século 21 serão de origem zoonótica (transmitida por animais para humanos). De acordo com o projeto de pesquisa norte-americano Global Virome, existem mais de 1,7 milhão de vírus não descobertos na vida selvagem. Quase metade deles pode ser prejudicial aos seres humanos. A caça e o comercio ilegal são grandes responsáveis por essas disseminações.


A destruição do meio ambiente e a disseminação de novas doenças

A destruição das florestas e de zonas naturais para a expansão humana fez com que vários animais que antes estavam isolados na natureza tivessem contado com humanos, aumentando a possibilidades de contaminação. Pois de certa forma “liberamos” o vírus de seu ambiente natural. O aumento do consumo de carne é outro fator de risco nessa situação, pois em alguns países o consumo de animais selvagens.


Exemplos de outras pandemias:

  • Peste Negra

Em 1343, a peste bubônica foi mais uma vez a causa de outra pandemia que assolou em sua totalidade os continentes asiáticos e europeu: A Peste Negra. Com seu auge até o ano de 1353, a Peste ainda apareceu de forma intermitente até o começo do século XIX e matou entre 75 a 200 milhões de pessoas.

  • Gripe Russa


Já em 1580, existem relatos da primeira pandemia de gripe, que se espalhou por Ásia, Europa, África e América. Séculos depois, em 1889, a Gripe Russa foi a primeira a ser documentada com detalhes, com proliferação inicial de duas semanas sobre o Império Russo e chegando até o Rio de Janeiro. Ao todo, 1 milhão de pessoas morreram por conta de um subtipo da Influenza A.

  • Gripe Espanhola


Em 1918, a Gripe Espanhola causou a morte de 20 a 50 milhões de pessoas, afetando não só idosos e pacientes com sistema imunológico debilitado como também jovens e adultos. Com possível origem nos Estados Unidos, essa enfermidade quase dizimou as populações indígenas e levou a óbito cerca de 35 mil brasileiros.
No entanto os animais silvestres não são os vilões, a presença deles é de suma importância para o equilíbrio ecológico, os morcegos por exemplo cuidam do transporte de sementes de uma região para outra, além de controlarem a população de insetos.

 

Fontes: sanarmed.com / vestibular.uol.com.br

Imagem: Pinterest

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.