Carnaval 2021: suspenso, adiado ou virtual?

Passado o ano novo, começa outra contagem regressiva: a da maior festa do planeta. Mas em tempos de pandemia, o beijo, o abraço e a aglomeração precisam ser evitados. E fica a dúvida: o que será do carnaval de 2021?

A data que geralmente é comemorada em janeiro no ano de 2021 parece que será adiada até a saída da vacina da covid-19, algumas escolas de samba declararam que seu carnaval sera durante os dias 8 a 11/7 que é o caso de SP e Salvador, já o Rio de Janeiro que não entrou em consenso e prefere esperar a chegada da vacina contra a Covid-19. Pela da questão de saúde, outro fator aflige a direção do festa carioca.

No entanto uma festa que acontece todos os anos e que para muitos passa despercebida ou para outros os dias são contatos para a data esse ano juntou essas ambas partes unidas com essa curiosidade, aliás o carnaval tá presente na cultura do brasileiro a muito mais tempo do que imaginamos.

Apesar do forte secularismo presente no Carnaval, a festa é tradicionalmente ligada ao catolicismo, uma vez que sua celebração antecede a Quaresma. O Carnaval não é uma invenção brasileira, pois sua origem remonta à Antiguidade.

A palavra Carnaval é originária do latim, carnis levale, cujo significado é “retirar a carne”. Esse sentido está relacionado ao jejum que deveria ser realizado durante a Quaresma e também ao controle dos prazeres mundanos. Isso demonstra uma tentativa da Igreja Católica de controlar os desejos dos fiéis.

  • Origem

Alguns estudiosos entendem o Carnaval como uma festa cristã, pois sua origem, na forma como entendemos a festa atualmente, tem relação direta com o jejum quaresmal. Isso não impede que sejam traçadas as origens históricas que nos mostram a influência que o Carnaval sofreu de outras festas que existiam na Antiguidade.

Na Babilônia, duas festas possivelmente originaram o que conhecemos como Carnaval. As Sacéias eram uma celebração em que um prisioneiro assumia, durante alguns dias, a figura do rei, vestindo-se como ele, alimentando-se da mesma forma e dormindo com suas esposas. Ao final, o prisioneiro era chicoteado e depois enforcado ou empalado.

Outro rito era realizado pelo rei no período próximo ao equinócio da primavera, um momento de comemoração do ano novo na Mesopotâmia. O ritual ocorria no templo de Marduk (um dos primeiros deuses mesopotâmicos), onde o rei perdia seus emblemas de poder e era surrado na frente da estátua de Marduk. Essa humilhação servia para demonstrar a submissão do rei à divindade. Em seguida, ele novamente assumia o trono.

O que havia de comum nas duas festas e que está ligado ao Carnaval era o caráter de subversão de papéis sociais: a transformação temporária do prisioneiro em rei e a humilhação do rei frente ao seu deus. Possivelmente a subversão de papéis sociais no Carnaval, como os homens vestirem-se de mulheres e outras práticas semelhantes, é associável a essa tradição mesopotâmica.

A associação entre o Carnaval e as orgias pode ainda relacionar-se com as festas de origem greco-romana, como os bacanais (festas dionisíacas, para os gregos). Seriam eles dedicados ao deus do vinho, Baco (ou Dionísio, para os gregos), marcados pela embriaguez e pela entrega aos prazeres da carne.

Havia ainda, em Roma, a Saturnália e a Lupercália. A primeira ocorria no solstício de inverno, em dezembro, e a segunda, em fevereiro, que seria o mês das divindades infernais, mas também das purificações. Tais festas duravam dias, com comidas, bebidas e danças. Os papéis sociais também eram invertidos temporariamente, com os escravos colocando-se nos locais de seus senhores, e estes colocando-se no papel de escravos.

 

Fontes: g1.globo.com / brasilescola.uol.com.br

Imagem: pinterest

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.